Fisioterapia no coronavírus

Fisioterapia no coronavírus
Fisioterapia no coronavírus

No cenário da pandemia do COVID19, o papel do fisioterapeuta dentro do âmbito hospitalar veio sendo amplamente percebido.   O fisioterapeuta é o  profissional que e irá realizar o monitoramento do ventilador mecânico nos pacientes críticos para que, por exemplo, não ocorra uma distensão exagerada dos pulmões devido a manutenção de pressões altas no seu enchimento ou pelo uso em excesso de oxigênio. Porém, será essa a única função do fisioterapeuta nesse processo? 

O tempo de internação dos pacientes infectados pelo novo coronavírus costuma ser grande, o que aumenta a probabilidade de ocorrência de sequelas oriundas do uso prolongado do ventilador mecânico ou do próprio imobilismo, cujas as manifestações mais comuns são a perda de força muscular, alterações da sensibilidade e disfunção dos nervos. Desse modo se faz necessária a inter-venção  do  fisioterapeuta nos hospitais  para previnir que  esses danos não ocorram, sejam menores ou mesmo sejam tratados.

Do mesmo modo, outras  complicações  observadas em  pacientes com casos graves de coronavírus também precisam do olhar atento do fisioterapeuta para o processo de recuperação. Entre essas complicações podemos  citar algumas, como: a ocorrência de acidentes  vasculares cerebrais,  casos  de síndrome  de síndrome de Guillain-Barré(onde o sistema imunológico do próprio corpo ataca
parte do sistema nervoso e causa fraqueza muscular geral), ), ou as amputações ocasionadas por necrose  de  extremidades.  Uma das principais consequências observadas, ,  mesmo entre aqueles que  não chegaram a ficar em estado em estado crítico, é a redução da capacidade pulmonar. A fadiga e falta de ar, são conhecidas como alguns dos seus sintomas e podem persistir por mais de dois meses. s. E, assim como  nas  outras consequências,  precisam  de  fisioterapia adequada. 

Esse s pacientes,  quando retornam às  atividades do  dia a  dia,  mantêm o cansaço e veem seu rendimento e qualidade de vida afetados. Com issso surge a necessidade de reabilitação dos recuperados, onde mais uma vez o papel do fisioterapeuta  se  torna  indispensável  para melhorar a  função pulmonar e musculoesquelética,  e  deste modo,  oferecer  melhores condições  para o cotidiano desses indivíduos. 

Entender quais consequências que o vírus pode trazer a curto, médio e longo prazo em casos graves ou não, é necessário para tratar a  doença e as possíveis sequelas  que  ela  pode deixar, sejam temporárias ou permanentes. Portanto, podemos concluir que no longo  processo de reabilitação desses pacientes, o  fisioterapeuta irá realizar a prescrição adequada  de  exercícios respiratórios e físicos, respeitando as limitações individuais e as restrições  de cada processo de recuperação  o  para que o condicionamento  físico desses pacientes seja melhorado gradualmente.

 



 

Texto escrito por:
Dra. Vanessa Barros Nascimento
Fisioterapeuta
Rio de Janeiro / RJ

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
Acesse a sua conta Guia Saúde e participe da nossa conversa

Compartilhar

Facebook Twitter LinkedIn Email